Incentivo ao Aleitamento Materno em UTI neonatal.

Alimentar o recém-nascido pré-termo (RNPT) com leite da própria mãe proporciona benefícios que geralmente estão relacionados às melhorias da imunidade, digestão e absorção de nutrientes. A grande maioria dos recém-nascidos prematuros levam algum tempo para serem levados ao seio materno (SM), levando em consideração que a grande parte apresenta complicações que impedem a sucção logo ao nascer. Nesse momento faz-se necessário incentivar a ordenha (retirada de leite) periódica, a fim de manter uma produção láctea adequada para o momento que haja o aleitamento natural. Essa conduta é primordial para que a mulher se sinta capaz de amamentar ao longo do percurso de internação do seu bebê, manter a produção de leite elevada faz um feedback de potência para a mulher. O ideal é que a mulher retire o leite de 3/3horas e quando ela perceber o peito cheio demais, mesmo antes das 3 horas. Caso não tenha um lactário no hospital, orientar a doação de leite é mais uma das etapas do empoderamento e do favorecimento do vínculo.

Outro aspecto a ser enfatizado é o fortalecimento do vínculo através do contato precoce pele a pele entre mãe e bebê durante a internação. O método mãe-canguru estimula um forte apego entre a mãe e o bebê, aumenta a produção de leite materno e beneficia a lactação e amamentação.

Para preparar o prematuro para a amamentação no seio materno (SM) de modo eficaz e exclusivo, coordenando sucção/deglutição e respiração (S/D/R), o ideal é utilizar o desmame direto da sonda para o seio materno, sem oferta de formas alternativas de alimentação como o copo ou mamadeira. Inicialmente é realizada a técnica de relactação, para que o RN associe a ingestão do leite recebido pela sonda com a sucção que ele realiza em “mama vazia”. A sucção em “mama vazia” evita que o lactente, pela falta de coordenação e inabilidade, engasgue com o leite e induz a produção do leite pela mãe devido à estimulação dos hormônios prolactina e ocitocina.

Indica-se que o RN seja estimulado na “mama vazia” com sonda nasogástrica, com a cavidade oral livre, o que facilita a pega adequada e promove melhor propriocepção e estimulação intra-oral, proporcionando uma sensação mais prazerosa no mo­mento da sucção. É importante que a técnica seja realizada em pelo menos quatro mamadas, desde que o recém nascido não apresente desconforto respiratório ou qualquer outro sinal de estresse, durante a intervenção.

Quando o bebê inicia a coordenação S/D/R, o treino de sucção/deglutição é realizado com “mama parcialmente cheia” concomitante à oferta de dieta por sonda. Devem ser observadas as necessidades nutricionais do bebê em função do seu peso e deduzir a quantidade de complemento a ser ofertado pela sonda.

Após uma semana, se o ganho ponderal chegar a 125 gramas ou mais, a quantidade de complemento pode ser diminuída na mesma proporção, até que o RN esteja exclusivamente em SM. A dieta por sonda será feita apenas nos horários de ausência da mãe na Unidade Neonatal. Estando o RN clinicamente bem e em pelo menos quatro mamadas no SM, a sonda para alimentação é retirada e o recém-nascido recebe alta fonoaudiológica.

Obrigada Marcelly e Bernardo por me ceder as imagens, foi um prazer enorme acompanhar vocês!

Um comentário sobre “Incentivo ao Aleitamento Materno em UTI neonatal.

  1. preciso de artigos científicos para mostrar no UTI neonatal, que podem dar o leito ordenhada da mãe paa seu filho sem que este passa pela pasteurização. Tem isso em algum lugar? ou normas de um hospial famoso arespeito?
    abs Sibylle Vogt

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s