0

MamaMia indica.

“O parto pode ser sim um momento poderoso de transformação, alegria e prazer. Espero que esse livro inspire muitas mulheres.”
Gisele Bündchen

Este livro reúne histórias de mulheres para mulheres. Revela a trajetória percorrida por nove mães – entre elas a autora – para conquistar o parto desejado. Seus medos, fraquezas e dificuldades estão aqui expostos da mesma forma simples e sincera com que suas alegrias e vitórias são compartilhadas. O instante do nascimento, as horas que o antecederam e os primeiros momentos de vida do bebê são eternizados em fotos que transbordam emoção.

Autores:

  1. Luciana Benatti é jornalista em São Paulo, colabora regularmente para publicações da grande imprensa. Casada, tem dois filhos: Arthur e Pedro, nascidos de parto natural. Parto com amor, seu primeiro livro, surgiu do desejo de compartilhar suas descobertas e mostrar que um parto consciente, prazeroso e transformador é algo possível.
  2. Marcelo Min é fotógrafo em São Paulo, e colabora regularmente para publicações da grande imprensa. Casado, tem dois filhos: Arthur e Pedro, nascidos de parto natural. Parto com amor, seu primeiro livro com sua esposa, Luciana Benatti, surgiu do desejo de compartilhar suas descobertas e mostrar que um parto consciente, prazeroso e transformador é algo possível.

leia trechos do livro: parto com amor

Para comprar o livro: panda books

1

Parto normal, pode passar ao bebê bactérias ‘boas’ da mãe.

Recém-nascidos podem ser inoculados com “boas” bactérias durante o parto, e os que nascem de cesariana ´podem perder essa oportunidade, informam cientistas.

O estudo mostra que os bebês nascidos de parto normal saíam revestidos por bactérias benignas do corpo da mãe, enquanto que os nascidos cirurgicamente tinham bactérias mais genéricas na pele.

Isso pode ajudar a explicar por que bebês de cesariana correm mais risco de desenvolver infecções perigosas, como o Staphylococcus aureus resistente a drogas, diz a equipe da pesquisadora  Elizabeth Costello, da Universidade Stanford.

Isso poderia até mesmo explicar os estudos que indicam que crianças nascidas e cesariana têm mais chance de desenvolver alergias e asma, informam os pesquisadores no periódico Proceedings of the National Academy of Sciences.

O fluido amniótico que sustenta o bebê no útero é estéril, se a mãe for saudável. Mas, nos minutos durante e após o parto, os bebês são colonizados, por dentro e por fora, com milhões de bactérias, vírus e outros organismos.

“É natural e benéfico para nós sermos colonizados por bactérias saudáveis, a partir do nascimento. A maior parte das bactérias que vivem dentro ou sobre nós estão, se não nos prejudicando, ajudando-nos de algum modo”, disse a pesquisadora.

Por exemplo, mas bactérias do intestino ajudam a digerir a comida e protegem contra certas doenças.

A equipe, liderada por  Maria Dominguez-Bello da Universidade de Porto Rico, testou nove mulheres e dez recém-nascidos em um  hospital da Venezuela.

Amostras foram coletadas dos bebês 24 horas após o nascimento e os pesquisadores sequenciaram os genes de todas as bactérias que encontraram.

Bebês nascidos de parto normal tinham bactérias idênticas às bactérias vaginais da mãe sobre a pele, no nariz, na garganta e nas fezes. Mas bebês nascidos de cesariana tinham bactérias mais comumente encontradas na pele, e elas não pareciam ter vindo da mãe.

“Não sabemos se essas bactérias como as da pele estão vindo da primeira pessoa a manusear o bebê – pai ou médico – ou se estavam no ar”, disse Elizabeth.

Fonte: estadão.com.br/saúde