0

Influência do tipo de parto sobre a concentração de imunoglobulinas A, G e M no colostro materno.

Resumo
Objetivo: Verificar a influência do tipo de parto sobre a concentração das imunoglobulinas (Ig) A, G e M no colostro materno.
Métodos: Foram selecionadas 82 puérperas com idade cronológica entre 21 e 41 anos, idade gestacional de 37 ou mais semanas, paridade até IV gesta, bom estado nutricional e sem patologias associadas durante a gestação e o puerpério. Foram também critérios de inclusão para os recém-nascidos: peso > 2.500 g, escore de Apgar > 7 no primeiro minuto e aleitamento materno exclusivo durante o período da internação. As puérperas foram divididas em três grupos: A – parto vaginal; B – cesárea precedida de trabalho de parto; e C – cesárea eletiva. O colostro foi colhido manualmente entre 48 e 72 horas pósparto. IgA, IgG e IgM foram dosadas pela técnica de ELISA.
Resultados: Não se observou diferença significativa entre os tempos de coleta do colostro nos três grupos maternos estudados.
Quanto menor o tempo de coleta, maior foi a concentração de IgA no colostro materno; quanto menor a paridade, maior foi a concentração de IgA e IgM no colostro materno. O grupo de puérperas submetidas a cesárea precedida de trabalho de parto apresentou concentração mais elevada de IgA no colostro do que o grupo de puérperas que havia dado à luz por parto normal. A concentração de IgM e IgG no colostro materno não foi influenciada pelo tipo de parto.
Conclusão: A ocorrência do trabalho de parto, somada ao estresse cirúrgico, induz a uma concentração mais elevada de IgA no colostro materno na puérpera submetida a cesárea precedida de trabalho de parto.

Fonte: J Pediatr (Rio J). 2004;80(2):123-8: Parto, imunoglobulina A, imunoglobulina G, imunoglobulina M, colostro.

Clique Aqui: artigo completo

5

Meu bebê está mamando o suficiente? Como saber?

Estou preocupada se meu bebê está recebendo leite suficiente – como posso ter certeza?
Melhor do que preocupar-se e tentar adivinhar se seu bebê amamentado está recebendo o suficiente, preste atenção nos seguintes sinais:

1) NÚMERO DE FRALDAS MOLHADAS

  • Um bebê que mama o suficiente terá de 4 a 6 fraldas molhadas por dia, a partir do 4º dia de nascimento. Considere 6 a 8 fraldas se você usa as de pano, que seguram menos a urina.
  • Para saber como identificar uma fralda molhada, coloque duas colheres de sopa de água em uma fralda limpa e perceba a diferença de peso. Fraldas de pano molhadas são mais perceptíveis do que as descartáveis com seus absorventes.
  • Pode ser mais fácil comparar uma fralda molhada com uma limpa através do peso do que pelo simples toque.
  • Após o primeiro mês, aproximadamente, as fraldas do seu bebê estarão ainda mais pesadas – o equivalente a 4 ou 6 colheres de sopa de água.
  •  A cor da urina é um bom indicativo para saber se o bebê está recebendo leite suficiente para mantê-lo hidratado. Urina pálida e clarinha sugere uma boa hidratação; escura, com cor de suco de maçã (após os primeiros dias) pode ser um indicativo de que o bebê não está mamando o suficiente. Se seu bebê não estiver recebendo leite suficiente, você poderá encontrar um resíduo com aparência de “pó de tijolo” ou “ferrugem” nas fraldas, que são os cristais de urato decorrentes da urina muito concentrada (acontecimento normal nos primeiros dias), que devem desaparecer uma vez que a ingesta do bebê aumentar. Fale com seu médico para saber se seu bebê precisa de alguma complementação enquanto aprende a mamar com mais eficiência.

2) MOVIMENTAÇÃO INTESTINAL
Se muitas fezes estão saindo, então muito leite entrou.

  • Nos primeiros dias, as fezes do bebê mudam da aparência grudenta e escura do mecônio para o verde, e depois o marrom. Cerca de um a dois dias após a chegada do leite, observamos então as fezes de leite materno, que são amareladas e com grumos – cor de mostarda e consistência de queijo cottage.
  • Entre a 1ª e a 4ª semana de vida, bebês que estão recebendo leite posterior o suficiente, produzirão ao menos 2 ou 3 fezes amareladas e com grumos por dia. Por ser um laxante natural, alguns bebês fazem cocô em toda mamada, o que é um ótimo sinal de que o bebê está mamando o suficiente. Quando ele faz somente 2 ou 3 vezes por dia, espere ver uma quantidade mais substancial de fezes na fralda – mais do que uma simples manchinha.
  • Após o 1º ou 2º mês de vida, enquanto o intestino amadurece, a frequência de evacuações diminui. Neste estágio, seu bebê deverá ter somente uma evacuação por dia; alguns bebês amamentados evacuam uma vez a cada 3-4 dias, e ainda assim estão recebendo leite suficiente.
  •  Enquanto a urina é um bom indicativo a respeito da quantidade de fluidos ingerida pelo bebê, a evacuação será um indicativo importante acerca da qualidade do leite (isto é, se o bebê está mamando por tempo suficiente e com eficiência para despertar o reflexo de ejeção da mãe, o que fará com que ele tenha acesso ao leite posterior, mais gorduroso e mais rico em calorias). Quando um bebê que tem menos de 1 mês não produz fezes suficientes, é hora de observar mais de perto o que vem acontecendo quando ele vai ao seio. Preste atenção na pega do bebê e aos sinais de uma mamada eficiente e procure ajuda de uma consultora de amamentação.

3) AVALIE A MAMADA

  • Geralmente as mamas parecem mais cheias antes da mamada e mais vazias imediatamente após. Estas mudanças ficam menos perceptíveis conforme o bebê vai crescendo e você vai ficando mais eficiente ao produzir exatamente o que o bebê precisa.
  • Muitas mães perceberão o reflexo de ejeção do leite alguns minutos após o início da mamada. Se você não tem essa sensação, observe seu bebê. Sua sucção ficará mais firme e você poderá ouvi-lo engolindo mais frequentemente uma vez que o reflexo de ejeção aumenta o fluxo de saída de leite.
  •  Outros sinais que podem confirmar que seu bebê está mamando o suficiente incluem ver algumas gotas de leite escorrendo dos lábios ou ouvir o bebê engolir após uma ou duas sugadas. O bebê geralmente parece satisfeito durante e após a mamada.
  •  Se você sente seu bebê sugando com vigor, pode ouvi-lo engolir durante a mamada, percebe os sinais do reflexo de saída do leite e observa o soninho chegando após a mamada, há grandes chances de que ele esteja recebendo tudo o que precisa.

4) GANHO DE PESO

  • Seu médico vai conferir o ganho de peso do recém-nascido alguns dias após a saída do hospital e, talvez, uma ou duas semanas depois disso.
  •  A maioria dos bebês, sejam eles amamentados ou alimentados com fórmula, perderão em média 5 a 7% de seu peso de nascimento nos primeiros dias de vida, em decorrência da perda dos fluidos. O quanto eles perderão depende do inchaço do seu bebê e variações individuais acerca da retenção de fluidos e eficácia na amamentação.
  •  Quando mães e bebês passam por um nascimento menos complicado e são capazes de amamentar com frequência e uma boa pega, o bebê perde menos peso. Bebês que tem um início de amamentação mais vagaroso (seja por problemas médicos ou na pega) tendem a perder um pouco mais.
  • Bebês que recebem quantidades adequadas de leite estarão 50 a 100 gramas próximos do seu peso de nascimento na consulta de 1 semana. Alguns bebês demoram algumas semanas para retomar este peso, especialmente se perderam muito no início.
  •  Antes de sair da maternidade, lembre-se de pedir à equipe o peso do seu bebê na alta. Este número será importante na próxima avaliação do bebê, uma vez que o ganho de peso é medido a partir do peso mais baixo, e não do peso de nascimento.
  • Após retomar o peso de nascimento, o bebê ganha em média 115 a 200 gramas por semana, ou um mínimo de 450 gramas por mês. Alguns bebês ganham peso rapidamente nos primeiros meses; outros ganham mais lentamente, mas dentro da normalidade.

5) NÃO SE PREOCUPE COM SUA PRODUÇÃO DE LEITE

  • A amamentação é um processo baseado na confiança, portanto, não deixe que o medo de que seu bebê não recebe o suficiente prejudique a sua convicção. Se seu bebê está produzindo fraldas molhadas e evacuações suficientes, e ganha peso adequadamente, tenha certeza de que ele está recebendo tudo o que precisa.
  • Amamentar com frequência (em livre demanda) ou querer mamar logo após a última mamada não são necessariamente sinais de que seu bebê tem fome. Bebês mamam por inúmeras razões além da fome. Ele pode estar querendo a proximidade e o conforto proporcionados pela amamentação ou pode estar precisando de umas sugadinhas para relaxar e adormecer.
  •  Se a contagem de fraldas mostra que seu bebê está recebendo o suficiente, não se preocupe com a produção de leite. Amamente seu bebê com frequência durante o dia. Tenha certeza de que ele está abocanhando o seio corretamente e sugando com eficácia, e então não se preocupe.

Retirado de: http://www.askdrsears.com/topics/breastfeeding/faqs/getting-enough-milk-how-tell
Tradução livre de Bianca Balassiano Najm http://www.possoamamentar.com.br

1

SOS Niterói: Huap necessita de doação de vidros com tampa plástica para armazenar leite materno.

 

O Banco de Leite do Hospital Universitário Antonio Pedro é de extrema importância para as mães e recém-nascidos do hospital, pois muitas mulheres apresentam dificuldade para produzir leite e isso gera um prejuízo na alimentação do bebê e tristeza quando não podem amamentar seus filhos. Com o intuito de mudar essa situação, o Banco de Leite do Huap oferece apoio a essas mães e garante a boa alimentação de seus filhos por meio do leite doado, e cuidadosamente preparado para o recém-nascido. Logo, a doação de leite e materiais que garantem a doação é fundamental para as mães e bebês do Huap.

De acordo com a coordenadora de Assuntos Externos do Huap Bertilla Riker, a média ideal para abastecer o hospital e não correr o risco de escassez é de 70 litros de leite humano por semana. Para não inutilizar o leite materno doado, existe um rígido controle de exames e pasteurização do leite materno. Segundo Bertilla, a pasteurização do leite evita a transmissão de doenças e contato com vírus como o HIV. E para armazenar essa quantidade de leite humano de forma segura e higiênica, o Huap necessita da doação de vidros com tampa plástica. Com as campanhas promovidas pelo setor o retorno de material é bem grande, mas quando não há campanhas o número de doações cai de forma considerável, o que gera um risco para a saúde dos recém-nascidos.
O leite materno é essencial para o recém-nascido, pois alimenta e protege contra diversas doenças. Com a preocupação de manter a saúde do bebê e da mãe, os bancos de leite são considerados grandes fontes de vida. E para garantir esse ato de solidariedade, os interessados em doar vidros e as mães que quiserem doar leite, devem entrar em contato com o telefone 2629-9234 ou enviar  e-mail para bancodeleite@huap.uff.br. O Banco de Leite Humano do Hospital Universitário Antonio Pedro fica na Rua Marquês de Paraná, 303, centro, Niterói.

 

Fonte: http://www.huap.uff.br/huap/node/258

 

0

Brasileiras estão mais conscientes a respeito da amamentação.

Por: Max Milliano Melo

Qual a posição correta de segurar o bebê na hora da amamentação? O que fazer para evitar que os seios machuquem durante o aleitamento? Essas são algumas dúvidas que assolam as mães, sejam elas de primeira viagem ou não. Para especialistas, no entanto, melhor que aprender errando é se informar antes. Cursos, disponíveis na rede pública de saúde, são indicados para evitar que as primeiras refeições dos pequenos se tornem um pesadelo para as mães.

Para o pediatra Luciano Borges Santiago, diretor do Departamento Científico de Aleitamento Materno da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), amamentar não tem segredo. Ele explica que a melhor forma de aprender as técnicas corretas de amamentação é por meio de cursos pré-natais. “Hoje existem inúmeras instituições que oferecem esses cursos, desde bancos de leites e unidades básicas de saúde a planos de saúde”, afirma o especialista. “Nesses ambientes, todas as dúvidas que as mães tiverem podem ser sanadas”, completa o médico.

Entre as questões mais comuns levantadas pelas gestantes está a produção e a qualidade de leite de cada mãe. “No Brasil, existe um mito de que o leite materno pode ser fraco ou insuficiente para amamentar uma criança, o que é uma inverdade”, afirma Santiago. A orientação da SBP é que o peito seja a única fonte de alimentação da criança até os 6 meses de idade, sendo complementada com outros alimentos depois disso.

Muitas mães reclamam que, devido à sucção do bebê, os mamilos incham, racham e chegam a sangrar. Os especialistas afirmam, no entanto, que isso não é normal. “Se alguns desses problemas acontecem é porque a criança não está sendo colocada na posição correta”, afirma Santiago. Nesses casos, sempre surgem soluções caseiras, como usar cremes hidratantes ou outros tipos de substâncias. Mas as mamães devem ficar alertas. Por ser justamente a região onde o bebê coloca a boca, o uso de determinadas substâncias pode intoxicar o frágil organismo dos filhos. A solução é procurar um profissional especializado que ajude a identificar o que está causado o problema. Normalmente, os médicos receitam óleo mineral para aliviar o incômodo.

A estudante Majoy Vergueiro, 24 anos, recorreu a um curso de amamentação oferecido de graça pelo no Hospital Regional da Asa Sul (Hras), onde recebeu todas as informações sobre como amamentar o pequeno Ian, que na próxima semana completa 4 meses. “Fui logo na segunda semana depois que ele nasceu, foi ótimo. Me ensinaram como amamentar corretamente, como segurar o bebê e me deram um óleo para ajudar a diminuir as dores nos mamilos”, conta a mãe de primeira viagem.

A confiança adquirida no curso fez a jovem passar com tranquilidade pelas primeiras semanas do aleitamento, fase em que tanto mãe quanto filho ainda estão aprendendo a lidar com a amamentação. “No início dói um pouco, mas acho que isso é fruto do momento. Logo que se pega o jeito, esse problema fica facilmente controlável. Até me deram um óleo mineral, mas acho que foi adquirindo experiência que as coisas se resolveram”, conta Majoy.

O caminho percorrido pela estudante começa a ser seguido também pela operadora de caixa Luana Honorato, 20 anos. Hoje o pequeno Eurípedes Kauan completa seu primeiro mês de vida, e a mãe ainda está aprendendo a amamentar corretamente. “As enfermeiras ensinaram como fazer, mas nos primeiros dias realmente é um pouco difícil. Até pegar prática”, afirma Luana, que no começo tinha dificuldade para amamentar o pequeno.

Apesar dos desafios iniciais, ela não desistiu do aleitamento. “Acho que é mais saudável, pelo menos enquanto estiver de licença-maternidade”, conta a mãe. Isso deve acontecer quando o bebê completar 6 meses, idade recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para a introdução de outros alimentos na dieta dos pequenos. “Mesmo assim, pretendo retirar leite para ele mamar em casa, e oferecer o peito quando chegar à noite”, afirma a mãe.

Consciência
Assim como Majoy e Luana, as mães brasileiras estão mais conscientes da importância da amamentação. Segundo levantamento do Ministério da Saúde, 41% das crianças recebem apenas o leite como alimento no primeiro meio ano de vida, conforme determina a OMS. “Há 20 anos, esse percentual era quase zero”, explica Elsa Giugliane, coordenadora da área técnica de Saúde da Criança do ministério. O tempo de amamentação também cresceu nas últimas décadas. “Hoje, em média, as crianças mamam por 18 meses. Em 1980, o período de amamentação se estendia por apenas dois meses e meio”, completa a especialista do MS.

A gestora comemora os avanços, mas admite que ainda há muito a ser feito. “Atualmente, cerca de 70% das crianças mamam no peito, um percentual bastante alto se considerarmos como era esse índice décadas atrás, quando amamentar era considerado fora de moda, e a maioria das mães recorria a fórmulas industrializadas”, afirma Elsa. Segundo ela, para que esse índice seja ainda mais alto, é preciso uma ação de toda a sociedade. “A amamentação passa pelo chefe, que precisa liberar a funcionária para que ela possa amamentar, e pela família, que tem de criar condições em casa para a mãe ter tempo disponível. Enfim, é uma questão que vai muito além do desejo da mãe”, conclui.

Cientes da importância do leite materno, e de seu papel na saúde dos mais pequenos, mesmo quando a criança não pode — ou não consegue — sugar o leite do peito, mães se esforçam para oferecer esse rico alimento a elas. Assim é com a técnica de enfermagem Laudiene Alves Costa, 25 anos. Seu filho Luiz Gustavo, hoje com 1 ano e 7 meses, passou por maus bocados. Com problemas nos rins e no aparelho digestivo, o garoto ficou muito tempo internado. Isso não demoveu a mãe do desejo de dar o peito. “Desde pequenininho, quando ele ainda ficava na encubadora, eu tirava o leite manualmente e dava pra ele”, conta a mãe.

Mesmo quando o menino, hoje praticamente recuperado, não conseguia engolir, o leite da mãe continuou sendo seu alimento. “Nas fases mais complicadas ele tomava o leite pela sonda. Às vezes, eu tinha que tirá-lo a cada três horas”, relembra Laudiene. Hoje com o menino tranquilo, e com a saúde estável, ela tem certeza de que faz a coisa certa. “O leite foi importante para ele ganhar peso e se fortalecer. Claro que os cuidados médicos foram importantes, mas acho que o leite do peito teve um papel fundamental na recuperação dele”, conclui.

Aprendendo a mamar

Veja como ajudar o bebê a “pegar” a mama:

» 1º – Tocar os lábios do bebê com o mamilo

» 2º – Direcionar o mamilo para o palato do bebê

» 3º – Esperar até que a boca esteja bem aberta

» 4º – Nessa altura, trazer o bebê rapidamente à mama

» 5º – A mão deve estar em forma de C — com os quatro dedos contra a parede do tórax debaixo da mama; com o indicador apoiando a mama por baixo e o polegar acima da auréola.

Dicas

» Verifique se o nariz e o queixo do bebê ficam junto à mama

» A cabeça do bebê deve estar alinhada com o resto do corpo; a criança não deve ficar de lado na hora de mamar

» Durante a amamentação, deve-se ouvir a deglutição, ou seja, o barulho do bebê engolindo o leite

» Atenção para a mão da mãe não ficar próxima demais do mamilo. Isso dificulta a sucção pelo bebê

Fonte: http://www.correiobraziliense.com.br

1

AMAMENTAR: Uma escolha baseada na VONTADE

A amamentação não pode ser sinônimo de dor, não deve. Não é uma escolha baseada na vontade de ser mártir da amamentação do seu filho. Ela deveria ser pautada na vontade intrínseca plenamente consciente de que o ato de amamentar é a melhor escolha e a única forma do seu bebê receber um alimento totalmente único e insubstituível e junto com ele, receber todo o cuidado, carinho, afeto e amor em sua primeira relação humana.

Amamentar não é fácil, dói, gera desespero, pois a nossa mama extremamente sensível ao toque trava uma verdadeira batalha contra a boquinha ainda não treinada do bebê. E até que ela se torne um prazer de fato, muitos e muitos episódios serão sentidos na pele por você. A dor é um mecanismo de alerta, que sinaliza que ainda não está bom e que pode melhorar.

Interessante que, em nossa sociedade, muitas vezes o grau de sacrifício dado à amamentação torna-se quase insuportável até de ouvir. Parece que o ato do aleitamento prolongado já é demais, e que a mãe não pode se sacrificar tanto assim… E fico pensando no quanto nos sacrificamos para suportar um bom relacionamento no trabalho, suportar horas intermináveis no trânsito, suportar cobranças por metas, suportar… suportar… suportar, mas no nosso inconsciente emocional não podemos suportar um aleitamento prolongado ou dedicar tempo ao nosso bebê, pois isso seria já um conceito totalmente alienado. Podemos suportar muitas coisas, mas somos tolhidas de dedicar um tempo crucial e precioso que é amamentação no primeiro momento da vida de nossos bebês.

Quando a escolha da amamentação for baseada na nossa vontade, ela será plena e extremamente prazerosa. Temos também o direito de decidir pelas nossas vontades e para que estas vontades sejam de fato reais e significativas, elas estão dentro de um sistema complexo de escolhas. Boas escolhas. Escolhemos em algum momento da vida a nossa carreira, com quem iremos casar, aonde iremos viver, no que iremos trabalhar, quantos filhos iremos ter e cada uma dessas escolhas demandam tempo, planejamento e dedicação. Assim também deveria ser a amamentação: eu escolho um momento na minha vida para amamentar o meu bebê como ele deve ser realmente amamentado.

Uma escolha baseada principalmente em uma doação genuína, pura, e livre de cobranças. Amamento porque assim desejo, porque escolhi e não por uma recompensa futura do meu bebê, da minha família ou da sociedade. Faço neste momento porque é o melhor a ser feito e essa responsabilidade a mim pertence. Quando mães conscientes de todas as interfaces que envolvem a amamentação, instruídas e amparadas por auxílio profissional, forem de fato encarar o desafio de amamentar e nutrir uma vida humana, todo esse negativismo ao redor da amamentação irá desaparecer.

Precisamos ouvir a nós mesmas primeiramente, sabe o que o nosso corpo quer nos dizer. Depois, precisamos ouvir nossos bebês, em uma sintonia tão profunda e íntima que ao sinal do primeiro choro, ao invés de darmos lugar para o desespero, a angústia e a culpa, sabermos compreender prontamente a sua queixa.

Não tenho dúvidas que é também a vontade do bebê apenas amamentar no seio de sua mãe. E de fato, quando ambas as vontades estiverem niveladas e em um nível satisfatório de harmonia, ela será plena e livre de qualquer sobra de dúvidas deste momento único e tão especial da nossa vida materna.
Amamentar exige também de nós abstrairmos de todo o nosso entorno e de termos um olhar apenas para esta relação: você e o seu bebê.

Por Simone de Carvalho – Pedagoga – mestre em psicologia da educação.

1

Considerações importantes sobre retirada e a forma armazenamento de leite humano.

Os primeiros jatos do leite coletado deverão ser desprezados, a fim de eliminar possíveis microrganismos patogênicos e garantir uma contagem microbiana menor no leite ordenhado. A eliminação dos primeiros mililitros (2 a 5mL) no momento da ordenha, ou dos jatos iniciais, contribui para a redução de até 90% da população inicial de bactérias. Isso porque as regiões mais periféricas dos ductos mamilares são colonizadas por microrganismos, de modo geral com características saprofíticas, que, por estarem ecologicamente adaptados, crescem com rapidez. Esse fato decorre da permanência de resíduos de leite na região, entre o intervalo das ordenhas.
Por ação física de arraste, os primeiros mililitros ejetados trazem consigo a quase totalidade dessas bactérias. Assim, ao desprezar os primeiros jatos, descarta-se também essa microbiota secundária – desejável quando se trata de amamentação direta ao seio – mas que representa fator de risco para a ocorrência de não-conformidades quando se trata de leite humano ordenhado.

A esterilização mal feita dos utensílios utilizados na coleta do leite, acarreta uma alta porcentagem de contaminação. Entende-se por utensílios, bombas elétricas, bombas manuais e as mãos, devem ser bem lavadas.

Considera-se embalagem padrão para acondicionamento do leite humano frascos de vidro de boca larga, com tampa plástica rosqueável*.  As embalagens de vidro, face às suas características, sobretudo as construídas com borosilicato, apresentam custo menor, alem de atender a todas as demais exigências para o acondicionamento do leite humano ordenhado. Um cuidado especial deve ser tomado com os frascos que apresentam solda na sua parte inferior, uma espécie de costura que prende o fundo  ao corpo do vidro. Essas soldas são frágeis e, quando submetidas a baixas temperaturas ou a estresse térmico, rompem-se.

* potinhos de alimentação infantil não tem tampa plástica

* copos de nutella não tem tapa rosqueável

IM PORTANTE: As embalagens plásticas*, em sua grande maioria, trazem o problema de despolimerização (decomposição) parcial do plástico, imperceptível macroscopicamente, sobretudo quando aquecidas a temperaturas superiores a 50ºC.

* entende-se por embalagens plásticas – garrafinhas, saquinhos, tupperware…


O tempo de estocagem do leite humano ordenhado, ou vida de prateleira, depende, dentre outros fatores, do tipo de embalagem utilizada para acondicioná-lo.

fonte: Manual de normas técnicas para banco de leite humano/ Fiocruz